EM BUSCA DA SABEDORIA

Minha vida é como um livro, cada dia uma página, a cada hora um novo texto, a cada minuto uma palavra, e neste segundo o benefício das plantas que fazem milagres, não será por acaso que quando se constrói uma casa, pouco tempo depois, começam a nascer as plantas que
Fazem a nossa vida ter sentido. Em cada uma delas trás um significado e que se chama de mezinha, é com elas que vamos atenuando e até curando os males do corpo e da alma. Foi por este motivo que dei a este blogue o Milagre da Plantas.

enfeite da apresentação

segunda-feira

ACÁCIA-BASTARDA

                                                                               Leguminosas…

Em 1601, Jean Robin, jardineiro do rei
Henrique lV de França, que tratava das
plantas medicinais, recebeu, vinda dos
montes Apalaches, na América do Norte,
uma semente que enterrou na Praça Dauphine,
em Paris, trinta e cinco anos depois, a árvore
nascida dessa semente foi transplantada para
o Jardim Botânico de Paris, Lineu baptizou a planta
com o nome de Robinia, em homenagem a Robin.
Mais tarde a árvore, tornou-se espontânea e difundiu-se
por toda a Europa excptuando o Norte pois não suportava
o Frio, a humidade e sobretudo os ventos, que quebram
facilmente os seus ramos e agitam com violência a sua
bela copa. Tem preferência pelos solos bem drenados,
os quais, aliás, consolidam as suas raízes.
As abelhas tem preferência especial pelo rico néctar
das flores da acácia-bastarda. Com os cachos floridos
podem preparar-se xaropes, uma agradável água de
toilette e um vinho tónico obtido pela maceração de
15 a 20 g de flores em 1l de vinho tinto, as sementes e
a casca não devem ser ingeridas. A raiz é tóxica, não
obstante ter um sabor doce, pelo que deve ser proibida
às crianças. 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Em cada palavra, em cada gesto ou em cada sorriso, consegues levar um pouco de felicidade a quem já perdeu tudo na vida.
Só assim um coração triste volta a ter esperança.
O teu comentário seja bom, ou mau, será para quem o recebe uma gota de orvalho que seca ao nascer do sol, mas que não deixa morrer de sede a quem a bebe.